Cadastrar produtos na sua loja virtual é uma das tarefas mais executadas em um e-commerce, por isso é importante mensurar o quanto investimos de dinheiro e energia nesta tarefa.

Se mal cadastrados, seus produtos não ajudarão a trazer tráfego para sua loja online, portanto visitas orgânicas ficam mais difíceis de acontecer. Sem falar que as chances de fazer a venda para quem chega na página também são menores. 

Assim a pergunta é pertinente: eu mesmo devo cadastrar meus produtos? Afinal, entendo melhor do que qualquer um sobre eles. Ou devo pagar para uma agência fazer o serviço, pois são especializados? Será que são mesmo muito caros?

Começo listando quem pode assumir a tarefa de cadastrar um produto dentro da sua plataforma de e-commerce:

  1. O próprio dono da loja virtual;
  2. Um funcionário pode ser deslocado ou acumular esta função;
  3. Contratação de um assistente de e-commerce;
  4. Contratação de uma Agência de cadastro de produtos ou de e-commerce;
  5. Contratação de um freelancer.

Você sabe que tipo de cadastro de produto precisa fazer?

Antes de definir quem ficará com a tarefa de abastecer sua loja online, é preciso ter consciência de que existem duas formas de se cadastrar um produto: a forma simples e a otimizada.

Esse conceito se aplica a qualquer plataforma de e-commerce e não tem a ver com a ferramenta, mas com as informações que vão entrar na nela.

 

CADASTRO DE PRODUTO SIMPLES

Nesta modalidade de cadastramento, usamos apenas as informações que já estão “prontas” na internet. É o popular nada se cria, tudo se copia.

Aqui tanto os textos, quanto as imagens necessárias, costumam vir do site do fabricante ou de um concorrente, embora não seja o ideal.

Vale lembrar que copiar conteúdo de outros sites não ajuda o SEO da sua loja online, existem casos em que um cadastro de produto simples pode ser a melhor opção, como veremos mais adiante.

 

CADASTRO DE PRODUTO OTIMIZADO

Quando falamos em otimização, estamos falando em buscar mais performance. No nosso caso a performance a que me refiro é alcançar melhores posições no Google e possuir descrições de produtos com as quais os visitantes da sua página se engajem mais.

No produto otimizado, não vamos copiar títulos e descrições de produtos de outros sites, vamos criá-los do zero para diferenciá-lo da concorrência. E faremos isso utilizando técnicas de distribuição de palavras-chaves (keywords), 

Nas buscas do Google suas páginas vão ter um posicionamento melhor – não estou falando necessariamente das primeiras posições, já que muitos outros fatores estão envolvidos nas análises do Google – mas possuir um conteúdo que sua concorrência não tem, já lhe dará uma grande vantagem para subir nos resultados das pesquisas.  

Resumindo as diferenças entre estas técnicas de cadastramento de produtos SIMPLES e OTIMIZADO, através da tabela abaixo: 

Cadastro de Produto SIMPLES Cadastro de Produto OTIMIZADO
Não é feita pesquisas de keywords. Pesquisa-se pelas keywords.
Títulos são copiados de outros sites. Títulos são montados de acordo com a forma que seu público pesquisa nos buscadores.
Descrição do produto é também uma cópia. A descrição deve ser original e fazer uso das keywords descobertas.
A descrição costuma ser mais “fria” e restrita às características do produto. No entanto, alguns fabricantes já trazem descrições mais humanizadas. A descrição tem uma narrativa mais humanizada, focando na dor e nas emoções do cliente, para despertar um maior interesse pelo produto.
Informações técnicas são copiadas. Informações técnicas são copiadas.

 

Fica claro que produtos não otimizados são mais rápidos de cadastrar e por isso esta técnica é mais útil em situações em que um produto precisa ser publicado com urgência. Um exemplo clássico é acelerar a publicação da sua loja virtual.

Para quem não está trabalhando contra o relógio, o mais recomendado é investir no cadastro de produtos otimizados.

E as fotos?”, você deve estar se perguntando. Geralmente o processo é igual para ambos os casos, ou seja, copiá-las de algum lugar ou recebê-las do seu fornecedor.

Produzir as próprias fotos é algo que pode demandar muito mais tempo, por isso entendo que só vale a pena, se você não encontrar imagens em boa qualidade na internet ou se possui um produto diferenciado.

O mais importante sobre as imagens é otimizá-la, como veremos a seguir.

 

Como otimizar imagens para e-commerce:

  1. Coloque as keywords no nome do arquivo: por exemplo, em vez de usar “IMG5405.png” use “jogo-de-talheres-em-aco-inox.png”;
  2. Use imagens de qualidade: fotos pequenas ou pixeladas afastam o cliente;
  3. Padronize as dimensões: geralmente os e-commerces adotam o tamanho 1000×1000 pixels.  Quando padronizadas, elas têm mais chances de ficarem melhores posicionadas no Google Imagens. Isso também facilita sua entrada nos Marketplaces, já que alguns deles exigem esta padronização das imagens;
  4. ALT e TITLE: sempre preencha essas tags, os textos devem dar uma breve descrição da imagem. Lembre-se de usar as keywords;
  5. Imagem contextualizada: na descrição do seu produto, você pode utilizar imagens que ajudam a ilustrar o texto, como se fosse em um livro, imagens inseridas em meio ao texto ajudam a dar mais relevância para o seu conteúdo;
  6. Cuide do tamanho dos arquivos de imagem: este é um item fundamental para ranquear bem no Google. Mesmo depois de cadastradas é possível reduzir o tamanho das imagens usando scripts, plugins (lojas em WordPress) ou CDN (que é uma solução de maior custo, mas melhora a velocidade de todo o seu site, não apenas das imagens);
  7. Dados estruturados: você já foi na aba imagens do Google e viu produtos com uma “etiqueta” por cima das fotos? Bem, esse é um dos resultados dos dados estruturados, se a sua loja virtual ainda não possui recomendo fortemente que fale com seu desenvolvedor.
    Produtos de loja virtual usando dados estruturados.

Agora que você já entendeu as formas de implementar os produtos no seu e-commerce, vamos começar a responder a pergunta que vai fazer diferença no seu bolso no final do mês.

Pagar para cadastrar produtos ou fazer você mesmo?

Responder esta pergunta não é uma tarefa tão fácil como gostaríamos, por isso, antes de começar a análise, vamos confirmar se ela é realmente necessária.

Para isso, o fluxograma abaixo pode nos ajudar.

Devo pagar para cadastrar os produtos na minha loja virtual ou fazer eu mesmo?


Não tem dinheiro pra investir

Não temos muito o que discutir aqui, este é o momento de garimpar tempo ou fazer hora extra. Como dizia um amigo: “o que você faz da meia-noite até às 6 da manhã?”

Brincadeiras à parte, sabemos que começar algo é sempre mais difícil, mas nada é impossível para homens e mulheres de boa vontade.


Está sem tempo, mas tem verba disponível 

Seguem mais algumas perguntas para que você esteja certo desta decisão de terceirizar o cadastramento de produtos:

  • Quanto vale (monetariamente falando) o meu tempo e o da minha equipe? 
  • Eu faria melhor que um especialista?
  • O que vou precisar atrasar ou deixar de fazer para cadastrar estes produtos?
  • Consigo fazer tudo até o lançamento do site?

Sim, eu sei que o fluxograma nos sugere terceirizar, mas se você é como eu (e acredito que seja), vai querer ter certeza de que investir o seu dinheiro é a melhor opção. Afinal, às vezes tempo é uma questão de prioridade.


Tem tempo e dinheiro

Eu diria que este é um caso bem raro, afinal, quem tem tempo de sobra hoje em dia? Então, se você tem a faca e o queijo na mão, o melhor caminho é seguir nesta leitura e avaliar qual é a melhor opção para o seu negócio.

FAÇA VOCÊ MESMO: como calcular os custos para cadastrar produtos na sua loja virtual

Determinar o investimento mais recomendado neste caso, vai depender de 4 fatores.

  1. Quantos produtos você ou sua equipe conseguem cadastrar em 1 hora?
  2. Quantas horas você ou sua equipe pode dedicar a esta tarefa?
  3. Quão produtivo conseguem ser dentro das horas alocadas?
  4. Qual o valor, monetário, da sua hora?

Quantos produtos você ou sua equipe conseguem cadastrar em 1 hora?
Provavelmente haverá aqui algum tempo para conhecer a plataforma, se você for iniciante no e-commerce. Por mais intuitiva que elas sejam atualmente, existem funcionalidades que requerem algum tempo para aprendizado. 

Observação inicial: os tempos que usarei daqui em diante, são estimados e estão dentro de uma média, exceções para mais e para menos não vou levar em consideração.

Cadastrar um produto envolve pesquisar pelas informações, baixar fotos e inserir tudo na plataforma, este processo pode levar de 10 a 20 minutos, ou seja, entre 3 a 6 produtos por hora, para um cadastro de produto simples.

Para cadastro de produtos otimizados é preciso tempo extra pesquisar pelas palavras-chaves,  criação de títulos e descrições originais. Este tempo depende muito da habilidade e desenvoltura do encarregado pela tarefa.

O tempo de cadastramento pode ser maior, caso você precise ajustar o tamanho das imagens ou menor, se tiver em mãos as informações do produto em uma planilha. Neste caso bastaria subí-la, completar o cadastro e assim você ganharia muito tempo.

Em resumo, para definir sua real capacidade de produção é preciso saber o que você tem à disposição e colocar a mão na massa por pelo menos uma hora.

Penso,  no entanto, que o ideal é fazer as contas ao final de um dia inteiro de trabalho, já que é fácil manter um bom rendimento durante apenas uma hora de teste, mas somente um dia inteiro de trabalho vai te dar um panorama mais realista.

Se não puder fazer o teste, sugiro usar os números que deixei como parâmetro mais acima.


Quantas horas você ou sua equipe pode dedicar a esta tarefa?  Logo, quantos produtos sua empresa consegue fazer em 1 mês?

Primeiro é preciso definir quem será o responsável por esta tarefa:

  1. Você mesmo?
  2. Um funcionário será deslocado para esta função?
  3. Um funcionário será contratado?

Definido o responsável, avalie quantas horas por dia ele pode se dedicar e qual o valor da sua hora de trabalho.


Qual o custo mensal para manter um funcionário nesta tarefa?

Segundo o site vagas.com.br, um assistente de e-commerce ganha entre R$ 1.407,00 e R$ 2.006,00 reais. Para o exemplo que faremos na sequência, vamos adotar o valor que a mesma fonte nos traz como salário médio, que é R$ 1.648,00.

Se sua opção é deslocar alguém para esta tarefa, então o que vai valer é o salário atual deste funcionário, porém cuidando quantas horas por dia ele passa cadastrando produtos e quantas horas fazendo outras tarefas.

EXEMPLO 1: PRODUTO SIMPLES COM FUNCIONÁRIO CONTRATADO
Salário: R$ 1648,00
Horas mensais: 160 horas
Produtividade*:  112 horas (70% de produtividade)
Rendimento: 3 produtos por hora (um produto a cada 20 minutos)

RESULTADO:
Produção mensal: 336 produtos cadastrados no seu e-commerce
Custo mensal: R$ 1648,00 + encargos

 

EXEMPLO 2: PRODUTO OTIMIZADO COM FUNCIONÁRIO CONTRATADO
Salário: R$ 2.000,00
Horas mensais: 160 horas
Produtividade*:  112 horas (70% de produtividade)
Rendimento: 2 produtos por hora (um produto a cada 30 minutos)

RESULTADO:
Produção mensal: 224 produtos cadastrados no seu e-commerce
Custo mensal: R$ 2.000,00 + encargos

AGÊNCIA DE E-COMMERCE E CADASTRO DE PRODUTOS: descobrindo valores praticados

Algumas Agências que já estabelecem um preço por produto cadastrado. 

Nestes casos, elas costumam trabalhar com o cadastramento de produtos simples e solicitam que o cliente já envie todas as informações do produto. 


Agências que trabalham sob orçamento

Uma boa dica pra você, é entender o que é considerado na hora do orçamento, assim você já consegue entender como conseguir preços melhores.

Em geral, avalia-se as seguintes situações para fazer estes orçamentos:

  • Se a agência recebe todo o material pronto para cadastrar ou se ela vai fazer a pesquisa pelas informações, que incluem: pesquisa por título e descrição, itens como medidas do produto, peso e demais características técnicas. 
  • Se os títulos e descrições precisarão ser criados ou não. Lembrando que “criar” textos é diferente de achar eles prontos em algum lugar;
  • Se o cliente já tem as fotos do produto para fornecer;
  • Necessidade de adequar as dimensões das fotos para o seu e-commerce ou não;
  • Possibilidade de redução de valores em demandas maiores;
  • Possibilidade de subir os produtos por tabela e fazer o upload das imagens por FTP;

FREELANCER

Cada profissional tem sua forma de trabalhar e de cobrar, por isso não vou me aprofundar muito aqui.

O importante aqui é combinar entregas ou relatórios semanais sobre o andamento do trabalho, desta forma você evitará surpresas.  Os valores podem variar bastante também, pois neste mercado você encontra desde prestadores de serviço mais experientes aos menos experientes.

Recomenda-se que você procure referências do profissional que for contratar.

* Precisamos falar um pouco de produtividade

De acordo com um relatório da Workfront (EUA), apenas 39% das horas de um dia de trabalho são realmente produtivas. Dentre os fatores apontados como tempo desperdiçado estão: supervisão excessiva, e-mails excessivos, reuniões desnecessárias. 

Existe ainda aquela pausa para o cafezinho, a conversa com o colega, a ajuda ao colega, participação em treinamentos, pesquisas para aprender a realizar alguma tarefa nova, sem falar naquela olhadinha nas redes sociais, entre outros fatores.

Um outro estudo, este da Nasa, revela outro fator de perda de produtividade, que é a transição entre tarefas. 

A pesquisa mostra que o intervalo entre uma tarefa e outra ocasiona perdas importantes de tempo e quanto mais diferentes elas são, mais tempo é desperdiçado. 

Uma publicação muito bem elaborada no Instagram, mostra de forma simples como ser produtivo como a Nasa e minimizar este problema.

Outro artigo traz sua visão profissional e nos ajuda a ampliar nossa percepção sobre o tema, aqui o autor comenta que a produtividade média é de 70%, havendo oscilação entre 50% chegando até casos mais raros de 90%.

Além destes estudos, quero trazer a minha experiência profissional, afinal aqui na FastCompras acompanhei a produtividade dos nossos colaboradores durante 7 anos, estando na função de gerente de atendimento e também projetos. 

O tempo das tarefas é registrado no nosso sistema, que é integrado com o ponto da empresa. Então o cálculo da produtividade ocorre automaticamente.

Ajudar outros colegas, assumir tarefas mais urgentes e retomar tarefas que estavam em standby são fatores que interferem no rendimento, pois nestes casos temos um  raciocínio que foi interrompido e precisa ser retomado. Quanto mais complexa e mais tempo se leva para retomar uma tarefa, maior o tempo para retomar o “fio da meada”.

Seria mais ou menos como um carro de Fórmula 1 que entra nos boxes: ele desacelera, para para trocar pneus e depois precisa retomar a aceleração e aquecer os pneus novos e só então retomar o ritmo normal de corrida.

As chamadas “tarefinhas” (15 a 45 minutos) geram mais transições e assim quebram mais a produtividade. Tarefas de média duração, mostraram-se as melhores para uma boa produtividade.

Colaboradores que trabalham em projetos e não atendem emergências, chegam facilmente aos 70% de produtividade, mas em alguns casos podendo atingir 85%.

 Já quem é responsável por dar suporte e atender emergências, tem rendimento médio próximo aos 50%, no máximo 65%.

Colaboradores que realizam cadastro de produtos, também são produtivos durante 70% a 85% das horas contabilizadas, desde que não parem para realizar tarefas paralelas a todo instante.

Prazos de entrega e gerenciamento

Quando uma agência de e-commerce faz o cadastro dos produtos por você, sua tarefa é conferir o trabalho realizado, principalmente se os preços e parcelamentos foram cadastrados de acordo com os que você forneceu.

No trabalho com Agências você não se ocupa com o gerenciamento da tarefa, mas deve ficar atento ao prazo de entrega. Se você recebeu um prazo muito estendido, pode solicitar um cronograma, com entregas periódicas de um determinado número de produtos.

Quando a decisão é de fazer internamente, além de estar atento com o resultado final, pode ser preciso ocupar-se com o gerenciamento do seu funcionário. 

Algumas metodologias de gerenciamento de projetos como o Scrum, sugerem que se faça reuniões periódicas para avaliar o andamento do projeto e assim ir alinhando o trabalho conforme ele vai evoluindo, isso permite melhorar a performance dos trabalhos e detectar possíveis problemas, bem como suas soluções mais rapidamente.

Embora o Scrum seja uma técnica de gerenciamento utilizada em Agências, nada impede que você adote algumas práticas para facilitar seus desenvolvimentos internos.

Hora da tomada de decisão

Com os valores estimados para fazer o serviço internamente e também com os orçamentos que você pediu em mãos, é hora de avaliar e bater o martelo.

Para tomar esta decisão é importante considerar:

  1. Valores;
  2. Prazo de entrega;
  3. Qualidade estimada do trabalho.

Conforme falei durante o artigo os valores e tempos que aparecem aqui são todos estimados, com base em uma média de mercado, existem muitas variáveis em cada negócio e seria impossível reproduzir tudo aqui.

Espero que esta leitura te ajude a construir um empreendimento de sucesso.

Acompanhe-nos no Facebook