Vendas sazonais, pressão da concorrência, pagamento de fornecedores, custos fixos e variáveis, pagamento de pessoal, impostos, etc, e ainda assim ter de gerar lucro. Tarefa que às vezes parece impossível para o administrador, e que acaba demandando horas de planejamento estratégico e geralmente acaba no famigerado corte de custos, que muitas vezes implica até mesmo no corte de pessoal.

Porém sempre existem outras estratégias empresariais para resolver este problema, como um planejamento de aumento das vendas, abaixando os preços, de preferência que sejam inferiores aos dos concorrentes, com a certeza de que os fluxos de clientes e de caixa crescerão. Porém, essa estratégia pode agravar ainda mais os resultados financeiros de médio prazo, caso, o problema da empresa, seja justamente a falta de capital de giro. Reduzir qualidade do produto ou segurança na produção, não são de fato opções viáveis, visto que manter a qualidade, é fidelizar o cliente e, a  longo prazo, qualidade e segurança reduzem custos.

Uma estratégia, geralmente pouco explorada pelos empresários, e que costumam trazer bons resultados de redução de custos, e por consequência o aumento da lucratividade, é a logística, que às vezes não tem a devida atenção ou mérito. Para empresários de e-commerce, este setor é primordial e corresponde a uma grande porcentagem da engrenagem que movimenta o seu negócio na internet, e em muitos casos contar somente com a mão de obra dos correios não são suficientes para garantir entregas baratas e rápidas.

Nesta área um grande aliado do empresário são as ferramentas de análise de web, como por exemplo o Google Analytics, que geram relatórios onde pode se mapear a origem de visitas do seu site ou e-commerce.
Analisemos o seguinte exemplo: sua empresa produz um determinado produto no Chuí, e através dos relatórios você vê que tem um significativo número de visitas vindas do Amazonas, porém essas visitas se perdem após a verificação do valor do frete, o que fazer nesse caso? Aí entra a logística, pode ser que se torne viável por exemplo a criação de um centro de distribuição, senão no Amazonas, mas em um ponto estratégico que permita uma viagem menor, com custos menores de combustível e manutenção de caminhão, moto, trem, etc.

Muitas vezes a segmentação do serviço de logística pode permitir que uma entrega que necessitaria ser feita por caminhão, seja feita por motoboy, que barateará custos, reduzirá tempo, permitirá chegar mais longe e talvez onde seu concorrente não estará.

Então quer dizer  que deverei manter um estoque completo em cada ponto de distribuição?

Não. Por exemplo, falando em industria têxtil: Jaquetas de couro vendem muito mais na região sul do país próximo de épocas do frio, do que em épocas de calor ou em outras regiões como norte e nordeste, onde este será um item quase inútil, portanto, faz mais sentido, estocar esses itens em um centro de distribuição no Paraná no final do verão, do que em São Luiz do Maranhão, que faz sol em grande parte do ano.

Conclusivamente, as análises financeiras e mercadológicas são fundamentais para qualquer tomada de decisão empresarial, sem realizá-las de forma e tempo adequados, o empresário pode colocar a sua empresa em rota de colisão, com os fornecedores, instituições financeiras e com os próprios clientes. Medidas para melhorar os seus ganhos, existem,cabe analisar a que mais se encaixa com a sua realidade e necessidade.

Acompanhe-nos no Facebook